Marrakech é encantadora, rica em cultura, arquitetura e história, como mostro em Conhecendo a Cidade, e há muito que ver e fazer na cidade mais visitada de Marrocos.

Aqui relaciono alguns pontos turísticos que você não pode deixar de visitar bem como alguns passeios, de um dia, partindo de Marrakech que também são imperdíveis. Reserve pelo menos quatro dias para conhecer Marrakech seus mercados, seus tesouros e encantos!

Praça Djemaa El Fna

A praça Djemaa El Fna é uma das mais conhecidas e animadas do mundo, onde durante o dia o cenário é dos músicos, dançarinos, encantadores de serpentes, adestradores de macacos, contadores de histórias e das barracas repletas de laranja para vender suco, atraindo a atenção de todos no lugar que é o coração da Medina de Marrakech.

À noite o cenário é outro, com as luzes e o brilho das lanternas de bronze e das luminárias de vidro colorido realçando o mercado frenético de roupas, artigos de couro, de metais e louças coloridas. Mas a grande atração fica por conta das barracas que vendem comida marroquina.

Dicas:

  • Tenha alguns dirhams em moedas e notas baixas para dar aos artistas que você fotografar e ainda assim, pergunte se pode fotografa-los.
  • Procure comer com descartáveis, pois não existe água encanada na praça e os utensílios das barracas de comida são, normalmente, lavados na mesma água várias vezes.

Os Souqs

Os souqs são os mercados da Medina e estão nas imediações da Djemaa El Fna. Nesses mercados é possível comprar uma infinidade de coisas como especiarias, perfumes, óleos, as famosas babuches (sapatos), jalabas e kaftans (roupas), pashiminas, tapetes, chaleiras, bules e outros objetos de metal, tajines, pratos, luminárias, alimentos e muito, muito mais. Normalmente os souqs são seguimentados por tipo de produto. Há o souq de carnes, de frutas, de roupas etc.

Caminhar pelos souqs é um exercício para os sentidos com aromas, cores e sabores variados, exóticos e atraentes, mas é também um exercício para a paciência, pois os vendedores sabem como testá-la a exaustão.

É importante estar preparado para negociar o preço com o vendedor de qualquer coisa que deseje comprar. Pechinchar os preços faz parte da cultura deles e é isso que eles esperam que você faça, caso contrário poderá pagar mais de 100% do valor real da mercadoria em questão.

Dicas:

  • Se não quiser se aborrecer, ignore o chamado dos vendedores e jamais olhe nos olhos deles, caso contrário você vai precisar de muito esforço para se livrar da insistência deles.
  • Ao decidir-se por alguma mercadoria dê o seu “last price” e saída da loja. Com toda certeza o vendedor irá atrás de você aceitando sua oferta ou com uma contra oferta bem próxima da sua. Não volte atrás da sua proposta, a não ser que a dele seja razoável e justa.
  • Os vendedores sempre vão descobrir de onde você é e o que está querendo comprar e quando isso acontecer serão mais persistente. Eles falam o suficiente de qualquer língua para inquirir sua nacionalidade.
  • Não responda aos chamados e cumprimentos dos vendedores, é a deixa para eles te abordarem com ímpeto e determinação.
  • Seja esperto e firme ao negociar, no final você sairá satisfeito com o que queria comprar e verá que essa relação comercial é até engraçada.

Mesquita Koutoubia

A Mesquita Koutoubia é a maior mesquita e um dos monumentos mais representativos da cidade. Seu minarete, que é visível do bairro de Guéliz – que está ligado à Medina através da Avenue Mohammed V, serviu de inspiração para a La Giralda de Sevilha e para a Torre Hassan em Rabat, À noite o minarete fica magnificamente iluminado.

 

Seu nome deriva do árabe al-Koutoubiyyin, que significa bibliotecário, pois a mesquita costumava estar rodeada por vendedores de manuscritos. A torre tem 69 metros de altura e uma largura de 12,8 metros. O seu interior é constituído por seis salas, uma por cima da outra, atravessadas por uma rampa que permitia o almuadem  (o encarregado de anunciar em voz alta, do alto das almádenas ou minaretes) chegar à varanda da torre. Foi construída no estilo tradicional almóada (Califado Almóada) e a torre é adornada com quatro globos de cobre.

Um imenso jardim com laranjeiras e palmeiras fica a frente da imensa construção. Infelizmente, o acesso aos templos é vedado aos não muçulmanos.

Túmulos Saadi

Os Túmulos de Saadi só foram descobertos em 1917 e foram restaurados pelo serviço de Belas-artes, sendo preservados como eram nos tempos do domínio Saadi. A entrada estava bloqueada, por isso permaneceram intocados durante centenas de anos. O interior está coberto de Zelij (azulejos marroquinos) e magníficas decorações.

A visita é rápida, pois o local não é grande. Vale a pena solicitar um dos vários guias locais que ficam por lá.

  • Dica: Faça a visita com um guia local.

Valor: DH10

Jardins de Majorelle

Situado em Guéliz, o parque tem uma coleção de plantas de vários lugares do mundo, incluindo várias espécies de cactos. Nos jardins situa-se o Museu de Arte Islâmica, que cobra uma entrada adicional.

Dica:

  • Chegue cedo para evitar as multidões.

Valor: DH30

Museu Dar Si Saïd

Situa-se num antigo palácio e tem vários artefatos marroquinos de diferentes épocas, como esculturas de madeira, instrumentos musicais e armas. É dedicado à indústria madeirense marroquina, juntando uma magnífica coleção de arte popular marroquina: carpetes, vestuário e cerâmica. O museu fica a 5 minutos da Djemaa El Fna.

Mesquita Bem Youssef

A Mesquita Bem Youssef também é vedada para não muçulmanos, mas, ainda assim, é possível apreciar seus telhados verdes, cor sagrada para os muçulmanos. Entretanto a Madersa é aberta ao público e esta é uma visita imperdível.

 

Madraça de Ben Youssef

No coração da antiga Medina esta joia da arquitetura mourisca foi, durante mais de quatro séculos, um abrigo para os estudantes com sede de conhecimento. Madraça de Ben Youssef é uma antiga escola anexada à Mesquita de Ben Youssef. Trata-se de uma das maiores Madraças (escola islâmica) do Norte de África.

Valor: DH60

 

Museu de Marrakesh

Este é um museu privado e se localiza num antigo palácio do século XIX e que reúne a coleção de Omar Benjelloun, colecionador e mecenas marroquino. O palácio foi restaurado e é de cair o queixo.

Palácio de El Bahia

Este é um belo palácio com magnífica decoração. O Palácio de El Bahia merece uma visita guiada para que se entenda o estilo de vida de um nobre marroquino do século XIX. Tem belos jardins e pátios decorados com fontes e azulejaria.

 

Dica:

  • Contrate um dos guias locais que ficam na entrada do palácio.

Valor: DH 10

Palácio de El Badi

O palácio está em ruínas, mas existem passagens subterrâneas para explorar e a vista do terraço que é fantástica.

Valor: DH 10

O mapa abaixo te dá uma ideia da localização e distâncias dos atrativos.

Em momento algum recorremos ao Centro de Informações Turísticas, pois todas as informações que, dicas e mapas que precisamos nos foram fornecidos pela recepção dos hotéis onde ficamos. Com certeza, você obterá um mapa da medina e de Marrakech, bem como as informações que precisar no seu hotel. Não peça informação a estranhos na rua. Leia O que saber antes de viajar.

 

Além dos atrativos na cidade, a posição privilegiada de Marrakech permite chegar sem dificuldade a diversas atrações nos arredores. Veja algumas ótimas opções de day tour.

Essaouira

Distante 150 quilômetros de Marrakech, Essaouira é uma pacata cidade litorânea de onde se destaca um belíssimo forte português do século 16.

Cordilheira do Atlas

A cordilheira do Atlas oferece várias opções de day tour com experiências diferentes. A pouco mais de uma hora do centro de Marrakech, é possível admirar os picos nevados, cachoeiras ou as comunidades berberes.

 

Ourika Valley – O passeio pelo Vale Ourika mostra uma das mais belas áreas naturais onde o rio Ourika, que nasce no Alto Atlas é o protagonista juntamente com sete cachoeiras. É possível ver também como vivem as comunidades berberes.

Ouzoud Waterfall – As cascatas Ouzoud são as mais altas e frequentemente são referidas como as mais espetaculares de Marrocos. O vale abaixo das cascatas, onde existe uma espécie de piscina natural, é exuberante e o seu encanto é amplificado pelo fato de estar escondido, só sendo visível no final do caminho rodeado de oliveiras que lhe dá acesso. São as oliveiras que dão o nome às cascatas, pois “ouzoud” significa azeitona na língua berbere.

 

Ouarzazate – Esta é uma cidade do sul de Marrocos, apelidada de “porta do deserto”, pois Ouarzazate é o centro nevrálgico de uma vasta região do sul marroquino, de transição entre as montanhas do Alto Atlas e o deserto do Saara.

Um dos grandes atrativos da região são os casbás construídos com adobe as montanhas e as planícies áridas, os vales e oásis verdejantes, os palmeirais e as aldeias de barro vermelho ou ocre das comunidades berberes. O símbolo da cidade é o casbá de Taourirt, o antigo palácio-fortaleza do paxá El Glaoui, construído em meados do século XVIII.

 

A cidade é sede dos estúdios Atlas Corporation e tem um museu do cinema onde estão expostas peças dos cenários e vestuário usados em alguns filmes rodados em Ourzazate. A região é um dos locais de Marrocos mais usados como cenário pela indústria cinematográfica de todo o mundo.

 

O ponto alto deste passeio está a cerca de trinta quilômetros de Ouarzazate. Uma estrada secundária faz a ligação ao antigo ksar (casbás) de Ait-Benhaddou, uma das povoações construídas com tijolos de barro (adobe) mais bem conservadas em toda a região, em parte pelo interesse que a indústria do cinema lhe dedicou a partir do início dos anos sessenta, quando David Lean ali filmou algumas cenas de “Lawrence da Arábia”.

A cidade é constituída por um grupo de várias pequenas fortalezas ou casbás (kasbahs), chegando a ter dez metros de altura cada uma. A maioria dos habitantes da cidade vive agora numa aldeia mais moderna, no outro lado do rio Ounila, que no verão está totalmente seco.

Dica:

  • Fizemos o Day tour à Ouarzazate e Ait-Benhaddou com a AZ MARRAKECH, uma empresa de turismo que recomendo pelo ótimo serviço e custo benefício. Os passeios podem ser feito em tour privado em carro confortável com ar condicionado e com um motorista/guia que fala inglês ou em van para nove pessoas. Neste caso o motorista não é guia e, na maioria das vezes, só fala francês. Os preços também são bem diferentes.
Saara

Para quem busca um pouco mais de aventura, é possível acampar em um oásis sob o céu estrelado do Saara. As incursões para o Saara são de pelo menos três dias.

AZ MARRAKECH

Tel.: +212 659 925 341 / +212 524 432 370

E-mail: az.marrakech.net.service@gmail.com

Cruzando Mundo viajou a convite do Le Conseil Régional du Tourisme de Marrakech (CRT)

Leia tudo sobre Marrocos e siga-nos também no Facebook e no Instagram.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.