Há anos frequentamos Búzios,
mas nunca havíamos ido à Ponta da Lagoinha,
um lugar que quando conheci não acreditei que ainda não havia ido lá!

 

Localizada entre as praias da Ferradura e da Foca, a Ponta da Lagoinha é um pedaço do litoral brasileiro de grande interesse geológico que atrai estudiosos, cientistas e turistas. Fica estrategicamente protegida dentro do Parque Estadual da Costa do Sol.

Parque Estadual da Costa do Sol foi criado em 18 de abril de 2011 e tem cerca de 9.840,90 hectares dividido em quatro setores, cada qual composto por uma ou mais áreas distintas que abrangem terras dos municípios de Araruama, Armação dos Búzios, Arraial do Cabo, Cabo Frio, saquarema e São Pedro da Aldeia. São áreas segmentadas na Costa do Sol que exercem um papel importante na proteção de ecossistemas, como sambaquis, dunas, restingas, lagoas e florestas.

O lugar, que é pouco visitado por turistas data de 520 milhões de anos e tem incríveis formações rochosas que formam piscinas naturais, dando uma beleza singular ao local.

A Ponta da Lagoinha é um atrativo natural de rara beleza, mas requer muito cuidado por parte dos visitantes. Um salva vidas fica no local para evitar que as pessoas se aproximem das ondas. Segundo nos informaram, em caso de acidente, o resgate só pode ser feito se a pessoa conseguir nadar para dentro do mar, o mais afastado possível das ondas e das pedras.

A Lagoinha está cercada por rochas escarpadas que indicam uma formação geológica semelhante às montanhas do Himalaia, razão pela qual o lugar é chamado de “Himalaia Brasileiro”. Esse apelido é devido às formações rochosas em camadas paralelas numa inclinação de 20 graus, fato geológico característico do Himalaia.

É tão grande a importância geológica da Ponta da Lagoinha que, em 2003, o governo do Estado do Rio de Janeiro tombou a área de seus costões rochosos. Uma placa explicativa está no local para que o visitante possa ler algumas das informações que estão expostas ali.

As rochas são ricas em ferro, magnésio, cálcio e outros minerais sólidos. São compostas também por minerais de granada, cianita e quartzo. As características morfológicas de milhões de anos sofrem modificação sob a ação das ondas e das marés que esculpem o granito.

A Lagoinha é cercada de vegetação nativa e típica de litoral que se somam a espécies exclusivas da região, como o cacto de cabeça branca. Lindas piscinas naturais de águas cristalinas que se formam, quando a maré baixa, completam o cenário mágico e belíssimo do local.

O acesso ao parque é livre, porém, por ser tombado pela prefeitura, é proibido fazer piqueniques ou deixar qualquer tipo de lixo, apesar de nós termos visto muito lixo sendo recolhido pelo salva vidas que fica de prontidão no local. Ficamos chocados com tanto lixo deixado por turistas!

Por não ser muito conhecida, a Ponta da Lagoinha é um local tranquilo até mesmo em épocas de alta temporada. É um dos melhores lugares para se apreciar o pôr do sol, o amanhecer e o nascer da lua cheia.

Subindo os rochedos em direção ao mar o visitante encontra um lindo panorama, podendo apreciar as ondas que quebram nas pedras formando um cenário inigualável. Da Ponta da Lagoinha também se tem uma linda vista da praia do Forno e das ilhas Âncora, Gravatás e Ilhotes.

Para os esotéricos trata-se de um Aleph, um portal energético, pois o lugar agrega forças da natureza de forma harmoniosa e energética.

A Ponta da Lagoinha é parada obrigatória nos passeios e city tours pela península.

Acesso à Ponta da Lagoinha

Seguindo pela via que margeia a Praia da Ferradura, encontra-se a entrada da trilha do parque Ponta da Lagoinha. Esse caminho é tranquilo e pode ser feito a pé. Possui, aproximadamente, meio quilômetro de trilha e permite que os turistas desfrutem da beleza natural do parque a qualquer hora do dia!

Dicas:

  • Não deixe de assistir o pôr do sol ou o nascer da lua cheia do portal sentado no Portal da Lagoinha.
  • Ao caminhar pelas pedras, não se aproxime da parte externa das piscinas naturais, pois o risco de ser arrastado por uma onda é grande e o mar é extremamente violento ao bater nas pedras.
  • Se você não estiver de carro, faça o city tour de Trolley de empresa Tours Shop, pois uma das paradas do passeio é na Ponta da Lagoinha.
  • Para ver a lua nascer depois do pôr do sol e o raiar do dia com todo o conforto e comodidade, hospede-se na fantástica pousada Pedra da Laguna, que fica em frente à Ponta da Lagoinha. Seu proprietário, Roberto Fuzetti, realiza luau com os hóspedes e dá uma verdadeira aula sobre o atrativo, além de ser uma companhia agradabilíssima.

Nós não conseguimos ver a lua cheia nem o pôr do sol porque o tempo estava péssimo, mas já estamos planejando nosso retorno com esse objetivo e, com certeza, contaremos aqui nossa experiência nesse portal cheio de energia.

Leia tudo sobre Búzios e siga-nos também no Facebook e no Instagram.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.