Partimos de Florença e atravessarmos o Vale do Chianti passando por uma das regiões mais belas da Toscana e da Itália antes de chegamos a Siena. A primeira dica que dou é que, ao contrário do que faz a maioria dos turistas, não faça bate e volta. Permaneça por pelo menos uma noite em Siena. Pela proximidade de Florença, as pessoas costumam fazer uma base na cidade vizinha e ir a Siena por algumas horas apenas, o que é um grande erro. Fique em Siena e aproveite para explorar a região:

Ao norte, é possível apreciar a riqueza da paisagem do Chianti (famosa pela produção de vinhos), com suas vinhas e oliveiras e, também as cidades de San Gimignano e Monteriggioni com suas muralhas e torres; ao sul, o vale da Arbia conduz à cidade de colina de Montalcino, sede da produção do famoso Brunello e a região de Le Crete com uma paisagem única de formações rochosas; e a oeste, chega-se ao mar onde a cidade de Livorno é um paraíso costeiro.

À noite, aproveite para desfrutar a tranquilidade dos restaurantes e das ruas pouco iluminadas, mas muito seguras, da Siena que a maioria dos turistas deixou para trás.

Nosso hotel era no centro histórico, onde somente os automóveis e motos dos moradores da área ou os táxis que deixam os turistas podem entrar, mesmo assim, eles têm de entrar pela porta mais próxima de suas residências ou do hotel. Caso contrário, são flagrados pelo discreto sistema de câmeras espalhados pelas ruas e multados pesadamente.

Ao chegarmos, fizemos contato com o Hotel Duomo, onde já tínhamos reserva e um funcionário veio ao nosso encontro. Ele nos levou até o hotel e depois estacionou nosso carro fora do centro histórico. E por falar em estacionamento, é bom estar preparado, pois as diárias não são baratas, a partir de 20 euros.

Fizemos o check in e para nossa surpresa o hotel nos agraciou com uma suíte superior a que havíamos reservado. Era maior e nos proporcionava uma vista maravilhosa da cidade, do Duomo, do Campanário, da Torre del Mangia e das colinas da Toscana. Algo fora de série! Aliás, o Hotel Duomo é um excelente lugar para uma hospedagem confortável em uma construção do século XII.

Totalmente reformado e modernizado por dentro, mas mantendo as características originais, está localizado no coração de Siena, junto da Piazza del Campo e da Catedral.

Veja disponibilidades de datas no Hotel Duomo.

Não podíamos ter chegado a Siena em melhor ocasião… Era a semana do Palio. A cidade estava em extasie, pois o Palio é a celebração mais importante de Siena e envolve todos os sienenses.

Como passaríamos poucos dias em Siena, queríamos aproveitar ao máximo, portanto, fomos logo perambular pelas ruelas medievais, subir e descer as ladeiras apreciando as lindas janelas com beirais floridos, contrastando com as paredes cor de terracota.

A todo o momento cruzávamos com um grupo de pessoas de alguma contrada (bairro). Eles desfilam pelas ruas usando lenços com as cores dos respectivos bairros e cantando seus “hinos”. A frente dos homens vem o cavalo que correrá no Palio.

É realmente uma festa emocionante! Algumas contradas seguem pelas ruas tocando instrumentos e usando roupas de época, coloridas, com calças colantes, chapéus, mangas bufantes e grandes bandeiras.

É impossível não viajar no tempo e tentar imaginar a Siena medieval, o Palio e tudo o que girava em torno dessa corrida como as famílias tradicionais rivais e nobres do passado (Tolomei, Maresccotti, Salimbeni…).

Seguimos pelas ruas escuras e estreitas, cheias de lojinhas de cerâmica típica da toscana, casas de massas, embutidos, queijos e vinhos fabricados pelos agricultores da região e claro, gelaterias, até que nos deparamos com a Piazza del Campo e a impressionante Torre del Mangia. É difícil descrever a emoção ao ver a Piazza tomada de gente e as casas a sua volta com os balcões, que durante o Palio se transformam em camarotes, enfeitados com panos vermelhos. Para mim tudo era especialmente emocionante, pois estava lendo um livro, “Julieta”, cuja história se passa na Siena de 1340 e com o Palio como pano de fundo. É uma visão inesquecível, pois parecia uma viagem no tempo!

Neste momento era realizado o sorteio dos cavalos e das contradas, ou seja, para cada cavalo sorteado, uma contrada também era sorteada. Na verdade, é uma questão de sorte ser representada por um cavalo melhor ou pior. É um momento em que as manifestações são de grande euforia por uns e muito descontentamento por outros. O sorteio é realizado no Tabernáculo da Capella di Piazza, que fica na base da Torre del Mangia.

A Piazza do século XII se abre num clarão enorme em forma de leque ligeiramente inclinado, onde é possível soltar uma bolinha de qualquer ponto da praça e vê-la rolar exatamente em direção do prédio da prefeitura (Palazzo Pubblico), que se encontra bem no centro. O chão de paralelepípedos vermelhos, separados por raios de pedra cinzenta saem do centro de sua linha horizontal em direção às bordas do arco A piazza tem cor de tijolo, cor da terra de Siena e é numa pista montada em volta dela que acontece, desde a Idade Média, a grande corrida do Pálio.

Ainda na Piazza del Campo, aproveite para admirar a réplica dos relevos  de Jacopo della Quercia para a Fonte Gaia, depois tome a direção contrária e vá ao Palazzo Pubblico, onde se encontram os originais. No Museo Civico, no primeiro andar do Palazzo, admire as pinturas de Simone Martini e de Taddeo di Bartolo, dos séculos XIV e XV. Elas mostram como a escola de pintores de Siena se diferenciou de seus vizinhos florentinos no princípio do Renascimento.

Dobramos à direita, na saída do palácio, e seguimos para o Duomo, outro cartão postal que estávamos ansiosos por ver. Construído entre 1215 e 1263, impressiona não só pelo tamanho, mas principalmente pelas cores. O interior e o exterior são revestidos com mármore branco e preto-esverdeado em faixas alternadas, a fachada é ricamente trabalhada com mármore rosa de várias tonalidades. As estátuas e bustos na fachada também são um espetáculo da arquitetura.

O chão em opus sectile (veja o post sobre o Duomo) é um dos mais decorados da Itália e cobre toda a área da Catedral. Sua construção durou dois séculos e quarenta artistas trabalharam na obra. São 56 painéis em diferentes tamanhos. O chão inteiro só pode ser visto durante três semanas ao ano, no resto do ano, boa parte fica coberto para proteger a obra.

O púlpito, uma das obras-primas de Nicola Pisano, feita entre 1265 e 1268 com a ajuda de Arnolfo di Cambio, cheia de detalhes, figuras de pessoas e de animais em alto relevo.

Depois desse primeiro contato em que nos maravilhamos com a cidade, retornamos a Piazza del Campo, que já estava mais vazia e comemos um delicioso cordeiro no Ristorante Al Mangia, bem atrás da Fonte Gaia.

O calor chega a ser sufocante em Siena no verão, por isso abrimos mão do vinho e partimos para uma Peroni (cerveja italiana) bem gelada.

Os preços dos restaurantes na Piazza são mais altos em função do lugar. Pode-se comer muito bem ou até melhor, por muito menos em charmosas tratorias nas ruas tortuosas da cidade ou nas pracinhas medievais.

Outra opção para um almoço rápido, mas bem toscano é entrar em uma das lojas que vendem frios, embutidos, queijos e vinhos e pedir um sanduiche a partir de 3 euros. Você escolhe o pão e o que compor seu sanduiche, leve ainda uma garrafa de vinho a partir de 9 euros. Eu amei!

Enquanto passeia pela cidade, à tarde, experimente as frutas frescas da região ou um gelato. Caso contrário, você vai se arrepender depois que sair de lá!

Você pode chegar a Siena de ônibus ou trem a partir de outras cidades da Itália. O ônibus vai até o centro histórico, mas a estação ferroviária fica fora do centro, ligando-se a ele por ônibus. Os aeroportos mais próximos são os de Pisa e Florença.

O ideal é fazer a viagem de carro explorando a região, pois a Toscana reserva incríveis paisagens.

O tráfego é limitado dentro das muralhas, mas os estacionamentos fora do centro histórico são servidos por ônibus, entretanto, a maioria dos hotéis faz esse traslado.

Veja aqui outras opções de hotéis em Siena.

Siena é encantadora e cheia de romantismo. É uma cidade para se conhecer e voltar sempre! Até breve!!!

 

Veja outros artigos sobre Itália e no acompanhe pelo Facebook e também pelo Instagram.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.